Removida

Alea jacta est ! Fui embora de Paris: fim de missão. Tendo completado cinco anos na delegação junto à UNESCO, fui removida, como se diz no jargão do Itamaraty, para a Embaixada em Dublin, naquele país celta que visitei, nao sem segundas intençoes, no final de novembro.  

 

Confesso que é duro, mas bom, faz-se Dublin-Paris em duas horas de avião.  

 

Eu sinto que vou gostar de Dublin. Sem duvida, criarei um novo blog. Me aguarde.  

 

Mestre-cuca por um dia

Faz umas semanas recebi convite de Sheila Leirner para participar de uma corrente de troca de receitas. O mecanismo é simples: você recebe um e-mail convidando a não quebrar a corrente, que consiste em enviar uma receita para o endereço eletrônico da pessoa que está classificada como número 1. Depois de enviar sua receita, você volta ao e-mail, reencaminha a 20 pessoas de suas relações, subindo o nome da segunda pessoa (aquela que te enviou a mensagem) para o número 1 e colocando o seu próprio nome no número 2. Alguns dias depois, você começa a receber receitas das mais variadas procedências.  

Fiquei muito orgulhosa quando recebi o retorno da pessoa para quem enviei minha receita de salmão no papillote, dizendo que o prato fez sucesso em sua casa. Tanto mais orgulhosa que o prato fui eu mesma que inventei.

Então, compartilho com vocês a minha criação culinária.

 Salmão cozido no papel alumínio
(ou outro papel próprio para ir ao forno) 

Ingredientes:
 
Filé de salmão ou qualquer outro peixe de sua preferência
alho picado
mostarda
gengibre em pó
ervas de Provence
molho chinês Nuoc Mam
sal e pimenta
 
Preparo:
 
Ligue o forno a 200 graus por 10 minutos
Forre uma travessa com papel alumínio com bordas para fora, para dobrar.
Coloque dentro todos os temperos, misture e unte os filés de salmão.
Feche como se fosse um envelope e leve ao forno quente por 20 minutos.
Sirva com arroz branco.