La vie est belle !
(de l'étonnement d'être vivante)


Férias no Rio

Vista da janela do apartamento da minha mãe

O Rio é hoje uma cidade diferente daquela que deixei há 11 anos. Mudou para melhor em alguns aspectos, e noutros, para pior. Para mim, voltar ao Rio é retroceder a vivências bem guardadas na memória afetiva. Algumas vezes, trata-se mesmo de exumar lembranças que eu preferiria mortas, e bem mortas. Não tem jeito: voltar ao ninho antigo é reviver o passado.

A Tijuca, bairro onde fui criada, está descaracterizada pelo abandono. Os prédios sem manutenção atestam a decadência provocada pelo tempo, pela poluição, pelo uso predatório. Tornou-se um bairro feio. A Lapa, ao contrário, renasceu. Os velhos casarões decadentes da minha juventude ainda estão lá – ainda bem -, mas restaurados. Abrigam casas noturnas freqüentadas pela corajosa juventude carioca, segundo ouvi dizer, pois não tive oportunidade de visitar nenhuma delas. Desta vez. Ipanema e Leblon não pioraram nem melhoraram, continuam a delícia que sempre foram.

 

A minha viagem no tempo, no entanto, não se restringe à geografia da cidade, aos velhos e bons amigos que revi ou ouvi por telefone. Fiz, sobretudo, uma volta à pessoa que fui e que julgava superada pela maturidade. De repente, lá estava a mocinha que não conseguia imaginar o seu futuro, que temia ser esquecida por Deus e o mundo, que não tinha autoconfiança suficiente. O reencontro, inesperado, me assustou. Ainda estou de férias e, como se vê, em fase de reconciliação com a minha própria história.



Escrito por Teresa Abreu às 13h30
[   ] [ envie esta mensagem ]




Férias

Há um lugar para ser feliz além de abril em Paris: Outono no Rio. (Ed Motta)

Il y a un endroit où l'on est heureux, au delà de Paris en Avril : Automne à Rio.



Escrito por Teresa Abreu às 18h30
[   ] [ envie esta mensagem ]




Sonho

 

Sofri um acidente e o meu dente incisivo central superior esquerdo foi empurrado para trás. Muito. Eu olhava no espelho e a minha boca estava encharcada de sangue, assim como meu rosto, minhas mãos e minha roupa. Com o polegar da mão esquerda, eu empurrava o dente para a frente e ele vinha, ainda que na sua “caminhada” fizesse jogar bastante sangue. Até que finalmente o dente parou e eu olhei novamente no espelho. Ele não estava completamente alinhado, mas estava ao lado do seu par, que nada sofreu.

 

 

Sleeping, Georges Lemmens



Escrito por Teresa Abreu às 09h30
[   ] [ envie esta mensagem ]




 

Any other world, by Mika.

In any other world
You could tell the difference
And let it all unfurl
Into broken remenance

Smile like you mean it
And let yourself let go

Cause it's all in the hands of bitter, bitter men
Say goodbye to the world you thought you lived in
Take a bow, play the part of a lonely lonely heart
Say goodbye to the world you thought you lived in
To the world you thought you lived in

I tried to live alone
But lonely is so lonely, alone
So human as I am
I had to give up my defences

So I smiled and tried to mean it
To let myself let go

Cause it's all in the hands of bitter, bitter men
Say goodbye to the world you thought you lived in
Take a bow, play the part of a lonely lonely heart
Say goodbye to the world you thought you lived in
To the world you thought you lived in

Cause it's all in the hands of bitter, bitter men
Say goodbye to the world you thought you lived in
Take a bow, play the part of a lonely lonely heart
Say goodbye to the world you thought you lived in
To the world you thought you lived in

Say goodbye to the world you thought you lived in [x2]
Say goodbye

In any other world
You could tell the difference

[Spoken]
"I never ever, I forget my story.
My face is not sad, but sometimes, I am sad."



Escrito por Teresa Abreu às 19h26
[   ] [ envie esta mensagem ]




Solidão urbana

 

Véspera de feriado na França, estava indo encontrar-me com uma amiga tanguera. Na saída do metrô, ia sendo “atropelada” por um deficiente visual, desses que andam com uma bengala. Ele caminhava atrás de mim, mas em minha direção, quando um rapaz que vinha no sentido oposto evitou o choque por um triz. Ele gritou Attention!, pegou o moço pelo braço e o colocou na direção correta. Surpreendida, agradeci com um leve sorriso, sem interromper minha caminhada. Quando subia as escadas do metrô, ouvi uma voz que insistia, Madame, Madame! Virei-me, era o rapaz que tinha evitado o acidente.  « Eu só queria dizer que você tem um sorriso muito charmoso, muito lindo mesmo ». Ele tinha um olhar humilde e, também, um sorriso bonito.

 

Alcancei a rua refletindo sobre o quanto pode ser imensa a solidão de um ser humano, ao ponto de motivá-lo a correr atrás de uma pessoa desconhecida por causa de um discreto sorriso de agradecimento.

 

 



Escrito por Teresa Abreu às 11h48
[   ] [ envie esta mensagem ]




Chove em mim

Chove em mim, bem-vinda chuva de primavera

chove sobre meu corpo e leva

na tua enxurrada benfajeza

toda a imundície que meus ouvidos ouviram

e meus olhos viram

e minhas mãos tocaram

enquanto desempenhava o meu papel.

 

Chove em mim, oportuna chuva de fim de semana

chove sobre meu coração e lava

na tua torrente purificadora

toda a futilidade que me adentrou a alma

a leviandade proferida

que sem pudor me assediava

enquanto desempenhava o meu papel.

 

Chove em mim, divina chuva de fim de dia

chove sobre meu espírito e preserva

na tua pura e santa ira

toda a lucidez com a qual me ungiste

para que em mim tua essência em rebeldia

se enoje, se transtorne e sofra

enquanto desempenho o meu papel.



Escrito por Teresa Abreu às 19h59
[   ] [ envie esta mensagem ]




Cinema brasileiro e eleições. C'est le Printemps!

Como todos os anos, está acontecendo o Festival do cinema brasileiro de Paris. Domingo, antes de ir para o tango, assisti a Vinícius. Ri e chorei, como era de se esperar. E fiquei super-chateada porque, como não estava prestando atenção nas legendas, perdi a tradução para tesão, que Tônia Carrero fala duas vezes. Droga. Se alguém souber como é tesão em francês, por favor, me diga !

Hoje vou ver Proibido proibir, depois da passeata em apoio a Ségolène Royal. Não que eu seja a favor da candidata. Ao contrário, acho Sarkozy infinitamente mais bem preparado do que ela. Nossa!, é impressionante o poder de convencimento do moço. Porém, como não voto - graças a Deus, que as eleições no Brasil, ano passado, já me fizeram sofrer bastante -, ça m'est égal ! Vou mesmo me encontrar com amigas franco-brasileiras, que, estas sim, votam Segô.

Assim, festejo o meu terceiro ano em Paris, pois cheguei num 1º de Maio!

Atualização por volta das 17 horas

Na percussão das francesas em favor de Ségolène não faltou nem mesmo o bumbo com a bandeirinha do Brasil!



Escrito por Teresa Abreu às 07h41
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]




Meu perfil
Moro na França, onde trabalho para o Governo brasileiro. Gosto de livros, arte e cultura. Sou jornalista, escritora, fotógrafa e especialista em Relações Internacionais

 

Locations of visitors to this page

UOL

 
Histórico
  01/09/2009 a 30/09/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/06/2009 a 30/06/2009
  01/05/2009 a 31/05/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009


Categorias
  Todas
  Livros
  França
  Brasil
  Miniconto
  "Conta as bênçãos"
Sites amigos
  Minhas fotos - Mes photos
  La vie est belle! (o antigo)
  Soraia direto de Chicago
  My little Paris
  Ramses no século XXI
  Le blog d'Estelle en Irlande
  Blog da Martha Medeiros
  Idéias e livros
  Pensieri e parole
  Porão abaixo®
  Histórias do mundo
  Blog da Magui
  O mundo sueco e eu
  trajédia
  Cissinha
  Croissant-land
  Caminhar
  Pisando em uvas
  Brasileirinha
  Forum democrático
  Blogup
  Cenas do cotidiano
  As Palavras Todas
  Pub 66
  Samba Um
  avant-dernières pensées
  Luz de Luma
  Observador
  Bloggente
  Gazeta mundo cão
  Sandra Pontes
  Lino Resende
  O Chato
  Fotoblog da Filhinha
  Bibi Move Scliar
  Petite parisienne
  Balaio Porreta 1986
  Côté cour, Côté jardin
  Política à francesa
  Banca do Blues
  Bom dia, França
  Além da Torre
  meus instantes
  Nothing and all
  Facebook
  UOL
Votação
  Dê uma nota para meu blog